Psicodiagnóstico

Psicodiagnóstico

É um processo cientifico que é limitado no tempo, utilizando testes e técnicas  psicológicas  em nível individual ou não para entender aspectos específicos, seja para classificar o caso e prever seu curso e comunicar os resultados, na base dos quais são  propostas as soluções. (CUNHA, 2003, p.23).        
 
A definição de Avaliação Psicológica, de acordo com o Conselho  Federal de Psicologia (2013, p.11) é:     
Avaliação Psicológica  engloba qualquer  atividade, com ou sem o uso de textos,  que é compreendido  como um processo de investigação  no qual se concebe  o avaliado e sua demanda, com o intuito de programar a tomada de decisões ao psicólogo. Esta Avaliação Psicológica faz a coleta de dados obtidos por meio de um conjunto de procedimentos confiáveis, entendidos e reconhecidos pela psicologia.       
 
 
DIFERENÇA ENTRE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA A TESTAGEM PSICOLÓGICA
 Segundo a Cartilha (CFP 2013, p13):  
– Avaliação Psicológica: É um processo amplo  que envolve a integração de informações  provenientes de diversas  fontes como:   testes, entrevistas, observações e análise de documentos;    
– Testagem  Psicológica: É considerado um processo  diferente  em que a principal fonte de informação é os testes psicológicos  de diferentes tipos.     
 
 
PÚBLICO ALVO 
 
Podem ser encaminhados para fazer Psicodiagnóstico:  
– Crianças;
– Adolescentes que apontam problemas de atenção, seguidos de problemas de interação social, de ansiedade e depressão.    
 
 
MOTIVOS DE ENCAMINHAMENTO PARA O PSICODIAGNÓSTICO
 
Os pacientes encaminhados para o Psicodiagnóstico geralmente apresentam, entre outros motivos: 
Problemas de aprendizagem, tais como problemas afetivos, de agressividade, são mais frequentes em adolescentes (Cunha e Benetti 2009; Santos 2006), e adultos que  costumam apresentar problemas  de relacionamento familiar (Louzada, 2003;  Maravioski  Serralta, 2011).  
Também  pode ser necessária a avaliação de outros  profissionais para  diagnosticar esses pacientes, tais como:  Fonoaudiólogos, Neurologistas, Psiquiatras, Psicopedagogos. 
De acordo com CUNHA (2000), os  objetivos clínicos do psicodiagnóstico são:
– Investigar aspectos da personalidade  quanto  aspectos cognitivos  abordar os  possíveis sintomas;
– Investigar questões do desenvolvimento;
– Investigar questões Neuropsicológicas;
– Investigar características adaptativas e desadaptarias, entre outros  permitindo assim, que se chegue a um Prognóstico   e á melhor estratégia e ou á abordagem terapêutica  necessária.
– Realização  de diagnóstico  diferencial.
 
Os profissionais que podem solicitar  Avaliação Psicológica são: 
– Neurologista  de Adultos;
– Neuropediatras;
– Psiquiatras  Psicopedagogos; entre outros.   
 
Para CAMPOS (2005),   o psicodiagnóstico pode ser  realizado em:   
– Consultórios privados;
– Clínicas psicológicas ou psiquiátricas;
– Instituições;
– Postos  de saúde ou hospitais.
 
 
PASSOS DO PROCESSO DO PSICODIAGNÓSTICO
 
1. Determinar  os motivos da consulta do encaminhamento e levantar dados sobre a história pessoal (dados de natureza  psicológica, social, médica, profissional e escolar);     
2. Definir as hipóteses e os objetivos do processo de Avaliação, estabelecer o contato de trabalho com o examinando ou responsável;   
3. Estrutura um plano de avaliação (selecionar  instrumentos ou  técnicas psicológicas);
4. Administrar  as estratégias e os instrumentos de avaliação;  –
5. Corrigir ou levantar, qualitativamente e quantitativamente  estratégias e os instrumentos de avaliação;  
6. Integrar os dados colhidos, relacionados com as hipóteses iniciais e com os objetivos da avaliação;  
7. Formular as conclusões, definindo  potencialidades e vulnerabilidades;
8. Comunicar os resultados  por meio de entrevistas de devolução e de um laudo psicológico ao avaliando ou os pais.   Encerrar a Avaliação.
 
 
REFERENCIAS
 
HUTZ, Claudio Simon.  RUSCHEL  BANDEIRA, Denise. TRENTINI, Clarissa Marceli. SILVA KRU, Jefferson. (Org.) Psicodiagnóstico. São Paulo: Artmed, 2016.